58.º Open de Portugal at Royal Óbidos

Vitor Lopes comanda com três portugueses num inédito Top-10

O Royal Óbidos Spa & Golf Resort acabou por apresentar condições meteorológicas mais benignas do que o previsto e temos oito portugueses dentro do cut provisório, cinco dos quais abaixo do par.

Óbidos, 17/09/2020 – Open de Portugal no Royal Óbidos, European Tour, Challenge Tour. Foto: Octavio Passos

Pela primeira vez nos últimos dez anos – e provavelmente pela primeira vez na história de um torneio iniciado em 1953, do qual nem sempre há registos rigorosos – um português lidera o Open de Portugal após a primeira volta. E também pela primeira vez nesta competição do European Tour, de meio milhão de euros em prémios monetários, três portugueses terminam os primeiros 18 buracos simultaneamente no top-10 da classificação e com resultados abaixo do Par!  


Com efeito, entre 126 participantes, Ricardo Santos está no grupo dos 4.º classificados com 68 pancadas, 4 abaixo do Par, enquanto Ricardo Melo Gouveia – que jogou ao lado do sul-africano George Coetzee, o campeão do Portugal Masters – surge empatado na 8.ª posição com 69 pancadas, 3 abaixo do Par.


Uma presença lusa que supera os dois portugueses no top-10 aos 18 buracos da edição de 2018, então com Vítor Lopes (-3) e Tiago Cruz (-2), respetivamente nos 2.º e 6.º lugares. 


Foi um dia glorioso para o golfe nacional na primeira jornada do 58.º Open de Portugal at Royal Óbidos que hoje (quinta-feira) arrancou sob a ameaça do mau tempo, com alguma chuva e muito vento, que a meio do dia já contava com temperaturas mais elevadas e depois terminou, já sob luz crepuscular, sem qualquer vento.


Há exatamente uma semana, a primeira volta do Portugal Masters, foi também marcada pelo bom desempenho dos jogadores portugueses, com cinco deles a ficarem abaixo do Par, um recorde nacional na prova algarvia. Hoje a dose repetiu-se, com outros cinco a entregarem cartões em números vermelhos.

Pedro Figueiredo (que chegou a andar com 3 abaixo do Par) e Stephen Ferreira (que ainda atingiu as 2 abaixo do Par) estão empatados no 36.º lugar, com 71 pancadas, 1 abaixo do Par. 

«Já fiz uma volta de 10 abaixo do Par, mas foi no Alps Tour. Esta de 7 abaixo é a minha melhor volta de sempre em torneios do Challenge Tour ou do European Tour», disse Vitor Lopes, que carimbou 1 eagle, 6 birdies e sofreu apenas 1 bogey.


Ao partir no último grupo, às 14h35, o português de 24 anos arrancou sob rajadas de vento de 40 quilómetros por hora e uma média superior a 28 km/h, mas as condições meteorológicas mudaram tanto, que, quando chegou ao green do buraco 18, já quase de noite, a intensidade média do vento tinha caído para os 3 km/h.

Óbidos, 17/09/2020 – Open de Portugal no Royal Óbidos, European Tour, Challenge Tour. Foto: Octavio Passos


«Jogo bem em tempestades, porque o meu voo de bola é baixo. (…) Com o vento, tive de mudar de estratégia e fiz um bom trabalho. Concentrei-me em fazer greens e fairways para não cometer erros e funcionou», acrescentou o antigo vencedor do Campeonato Internacional Amador de Portugal, que começou esta época com duas vitórias no Portugal Pro Golf Tour e que estava em boa forma no Alps Tour, onde fez um top-5 logo no arranque desse circuito internacional, antes de ver a sua inspiração travada pela suspensão de toda a atividade motivada pela pandemia.

«Sei que estou a jogar bem e na semana passada não pude demonstrá-lo por causa do putt», sublinhou, referindo-se ao cut falhado no Portugal Masters. «Mas também trabalhei o triplo do tempo no putt nestes últimos dias», acrescentou.

«Sabe bem ver o meu nome no topo do leaderboard e não ter de levantar-me amanhã às cinco da manhã», disse Vítor Lopes, referindo-se ao facto de «ter jogado a correr nos últimos dois buracos, pois não queria ter de voltar de amanhã às seis da manhã para concluir a volta». 

Vítor Lopes já tinha começado muito bem outra edição do Open de Portugal, a de 2018, no Morgado Golf Course, no Algarve, quando ainda era amador, e era 2.º classificado aos 18 buracos com 3 pancadas abaixo do Par, a 2 do líder, o espanhol Adri Arnaus. Dois anos depois, já como profissional, é ele quem comanda, com 2 pancadas a menos do que outro espanhol, Carlos Pigem, e o francês Damien Perrier. 

Entre os favoritos, o norte-americano Julian Suri, vice-campeão do Open de Portugal em 2017, surge no grupo dos 4.º classificados em que também está Ricardo Santos (-4) e Goerge Coetzee, que às tantas andava com 6 abaixo do Par, faz parte dos 8.º classificados como Ricardo Melo Gouveia (-3). 

Com 40 jogadores a terem batido o Par do campo, o nível de jogo tem sido elevado, apesar de, por vezes, jogar-se com condições bem complicadas, ao ponto do diretor do torneio, José Maria Zamora ter avançado os tees de três buracos e tornado os greens mais lentos (cerca de velocidade 10, enquanto em Vilamoura chegou a estar a 12,8), exatamente para facilitar a tarefa dos jogadores, tendo em conta as previsões meteorológicas. 

O 58.º Open de Portugal at Royal Óbidos prossegue amanhã (sexta-feira) às 7h30 e o último grupo arranca às 14h35. Volta a prever-se mau tempo, mas no Oeste já se sabe que é possível ter todas as estações num mesmo dia e hoje o sol brilhou mais do que se pensava, iluminando sobretudo os jogadores portugueses. O cut provisório está fixado em 1 pancada acima do Par. Dentro dessa marca estão ainda o campeão nacional Tomás Bessa e Francisco Oliveira a Par do campo e o amador Pedro Lencart com +1.

As classificações e resultados dos 14 jogadores portugueses, a terceira maior participação de sempre no torneio da Federação Portuguesa de golfe, foram as/os seguintes: 

1.º Vítor Lopes, 65 (-7)

4.º (empatado) Ricardo Santos, 68 (-4)

8.º (empatado) Ricardo Melo Gouveia, 67 (-3)36.º (empatado) Stephen Ferreira, 71 (-1)

36.º (empatado) Pedro Figueiredo, 71 (-1)

41.º (empatado) Tomás Bessa, 72 (Par)

41.º (empatado) Francisco Oliveira, 72 (Par)

57.º Pedro Lencart (amador), 73 (+1)

76.º (empatado) Miguel Gaspar, 74 (+2)

92.º (empatado) João Magalhães, 75 (+3)

105.º (empatado) Filipe Lima, 76 (+4)

10.º (empatado) Tomás Melo Gouveia, 76 (+4)

115.º (empatado) Tiago Cruz, 77 (+5)

126.º Alexandre Abreu, 86 (+14)



GABINETE DE IMPRENSA DA PGA DE PORTUGAL

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico – convertido pelo Lince