Tiago Cruz regressa aos títulos nos Açores

Tiago Cruz regressou às vitórias mesmo em vésperas do Open de Portugal @ Morgado Golf Resort e a duas semanas do Campeonato Nacional PGA Solverde.

Numa das fases mais importantes da época golfística nacional, Tiago Cruz conquistou pela quarta vez nos últimos seis anos o tradicional Open Pro-Am do Clube de Golfe da Ilha Terceira (CGIT), nos Açores, com oito mil euros em prémios monetários.

«Já tinha ganho em 2014, 2015 e 2016. É claro que esta vitória dá-me mais confiança para o Open, mas não podemos comparar as duas competições, são duas provas completamente diferentes. Mas vou para o Open de Portugal com a mesma atitude», disse o jogador do Club de Golf do Estoril à Tee times Golf, em exclusivo para Record.

A 38.ª edição do torneio foi reduzida de três para dois dias devido ao mau tempo. «No primeiro dia choveu de manhã até por volta das duas e tal, e como o campo estava encharcado e precisava, no mínimo, de duas horas sem chuva para tornar-se jogável, preferiram não iniciar a prova, visto que só iríamos fazer meia dúzia de buracos. Por outro lado, a previsão do tempo era favorável para os outros dois dias, por isso decidiram assim», explicou o profissional do BiG.

«Esteve um pouco de vento e o campo esteve igual aos anos anteriores. A maior dificuldade são os greens por serem um pouco lentos e a relva influenciar a linha da bola. Quem não está habituado tem sempre mais dificuldade», acrescentou o jogador de 37 anos, que embolsou 1400 euros pelo triunfo.

Esse contratempo não impediu os jogadores de fazerem excelentes resultados. Tiago Cruz venceu com 134 pancadas, 10 abaixo do Par, após voltas de 68 e 66, perseguido por 4 pancadas por Miguel Gaspar (70+68), o campeão de 2018, que bem procurou defender o título. Hugo Santos, o 3.º classificado, assinou voltas de 69 e 73 para um agregado de 2 pancadas abaixo do Par.

«Senti-me bem durante o torneio. Não tenho vindo a jogar muito bem e por isso não criei muitas expectativas. Acho que isso tirou-me aquela pressão de querer muito a vitória e de ter de fazer bons resultados. Fui aproveitando as minhas oportunidades e não deixei-me influenciar com um mau shot ou um mau putt».

Este poderá ter sido o segredo do sucesso do ex-bicampeão nacional que, efetivamente, não tem estado no seu melhor e não ganhava um torneio desde janeiro de 2018, então numa etapa do Portugal Pro Golf Tour.

A quebra de um jejum de um ano e meio também poderá ter sido facilitada pela familiaridade entre o jogador, o campo e o clube, dado Tiago Cruz ter uma personalidade que aprecia determinadas rotinas, preferindo mais ambientes em que se sinta confortável do que descobrir novidades.

«Gosto muito deste torneio. Somos sempre bem recebidos no Clube de Golfe da Ilha Terceira. O staff e os membros são simpáticos e acolhedores.

O formato do Pro-Am também é muito bem conseguido, por haver um grande convívio entre todos, com almoços, jantares e “vacadas”. Temos sempre o apoio dos membros, especialmente no último dia em que seguem os jogadores durante toda a volta. E os profissionais Michael Correia e Artur Freitas organizam o torneio e estão lá todos os dias para que a prova seja um sucesso», explicou.

Este ano, Tiago Cruz tinha obtido dois resultados de relevo em competições internacionais: o 3.º lugar no The Tour Championship do Portugal Pro Golf Tour em Troia, e o 44.º posto no Andalucia – Costa del Sol Match Play 9 do Challenge Tour, em Málaga.

Mais recentemente, há dois meses, tinha sido a principal figura da seleção nacional de profissionais que venceu a Taça Manuel Agrellos no Montado e depois deste triunfo nos Açores está pronto para o 57.º Open de Portugal @ Morgado Golf Resort, onde no ano passado obteve um brilhante 4.º lugar.

Hugo Ribeiro / Tee Times Golf para Record